23 de nov de 2009

O ovo da serpente

Shot011

O PTB, tendo à frente o Prefeito de Belém Duciomar Costa vem fazendo encontros políticos nas meso regiões do Pará.

O objetivo é emprestar musculatura ao partido, que quer comparecer na disputa de 2010 com visibilidade suficiente para estar em qualquer mesa de negociação com poder de inclusão ou veto.

Isto pode significar que o grupo liderado por Duciomar Costa, composto pelo PTB e pelo PR, não tem a pretensão prioritária de se alinhar ao PT, como alardeia o Governo.

Pode também significar, caso a fala do trono continue sendo verdadeira, que tanto o PTB quanto o PR, fazem um jogo combinado com o Palácio dos Despachos.

O jogo seria lançar candidatura própria, como ora ensaia o vice-prefeito Anivaldo Vale, para, no momento de ceder, afastar uma possível investida do PMDB - caso este resolva se unir ao PT - em alcançar dois, dos três cargos majoritários da chapa oficial.

Em miúdos: se a pedida do PMDB ao governo for uma vaga ao Senado e a vaga de vice-governador, o PTB-PR pleiteará o mesmo.

Como se fez o mito atual de que Jader Barbalho deseja o Senado, crêem os aprendizes de feiticeiros que o PMDB abriria mão da vaga de vice, ficando esta com o PTB-PR.

Isto é uma hipótese apenas, mas, dada as eventualidades e os atores postos, poderia ser um cenário se desenhando, desde que, eventualmente, o PMDB venha a ter a circunstancial intenção de se alinhar ao PT, coisa que faz os pemedebistas baterem na madeira.

De qualquer forma, o movimento de tropas que faz a dupla PTB-PR, sendo ou não um jogo combinado com o governo estadual, enfraquece a articulação deste à medida que a imponderabilidade do jogo político poderá desestabilizar regras pré acertadas.

Há um enorme vácuo de poder no Estado. A inoperância governamental desiludiu a tal ponto o eleitor que ele pulveriza a sua intenção de voto em qualquer político que apareça vestido de candidato: em todas as pesquisas feitas ninguém aparece com mais de 30% de intenção de votos e as rejeições são similares em 40%.

Em se considerando isto, outra hipótese poderá ser aventada neste cenário: o governo pode ter concluído que, como está pavorosamente anêmico, é importante fomentar o máximo de candidaturas majoritárias, pois isto lhe aumentaria as chances de varar para o segundo turno.

No quadro geral, todavia, dispensadas as candidaturas tradicionais, e com todas elas presentes, um nome novo que consiga acenar simpatia e tenha recursos financeiros suficientes para prover a logística de uma campanha governamental, arrisca ir para o segundo turno.

Aí, como vez e sempre acontece, estará criada a serpente.

3 comentários:

  1. ELCIONE BARBALHO PARA GOVERNADORA
    GANHA FOLGADO
    SERIA UMA QUESTÃO DE MOSTRAR TRABALHO
    E ISTO A ELCIONE TEM MUITO
    A GORDA NÃO TEM NENHUM PROJETO PARA O PARÁ DEPOIS QUE O PTP FEZ ÁGUA

    ResponderExcluir
  2. Deputado poderia até dizer que o artigo foi feliz e fez uma bela leitura do cenário politico do estado, mas precisamos corrigir alguns fatos, o Encontro ocorrido em capanema foi do PR, o Prefeito Duciomar foi apenas um ilustre convidado. Importante tambem ressaltar, que não se trata de jogo combinado, mas de verificarmos que existe um espaço vazio que alguem precisa ocupar e se tiver inteligencia de unir as forças politicas poderá ter sucesso na empleitada. Por exemplo, entendo que uma aliança entre PMDB, PR e PTB, trazendo com eles outros aliados, se consolidaria no time capaz de ganhar esse jogo, sabemos que o JB tem dificuldade em iniciar esta conversa, mas se estiver disposto, sairemos do campo da especulação, para as conversas de articulação.

    ResponderExcluir
  3. Olá Alex,

    Fica a sua correção: o encontro foi do PR.
    Quanto ao restante do seu comentário, salvo a sua afirmação de que o jogo não é combinado, não temos maiores diferenças de foco. Estamos abertos à aliança PMDB, PR, PTB. A disposição existe.

    Parsifal

    Obrigado e volte sempre.

    ResponderExcluir